Como era Manaus? – por Félix Valois

“Perguntei à moça da farmácia se ia às praias. Ela disse que ia às vezes a Ponta Negra ou Tarumã, mas preferia os banhos. Os banhos são pequenas represas de madeira feitas nos igarapés de fundo de areia.

Geralmente particulares, existem alguns públicos como o Parque 10, Ponte da Bolívia e Tarumãzinho”.

Os mais jovens não entenderam nada e os da minha idade hão de estar imaginando que, a esta altura da vida, resolvi fumar maconha vencida.

Nada disso. O trecho acima eu encontrei na internet e foi extraído de uma carta escrita pelo pintor pernambucano José Cláudio à sua família, quando esteve em Manaus, em missão científica, juntamente Paulo Vanzolini. A data: outubro de 1975.

Só pude sentir saudade e tristeza. De tudo o que o artista nordestino fala, a única coisa que ainda sobrevive é a Ponta Negra. E mal. O Tarumã foi engolfado pela especulação imobiliária e hoje tem uma serventia científica inigualável: criar os mosquitos da dengue e da malária.

O Parque 10 foi simplesmente abandonado e sua imensa piscina de águas naturais, desfeita, a fim de permitir que um Mindu poluído e mal cheiroso tenha curso livre entre o que restou da vegetação exuberante.

A Ponte da Bolívia e o Tarumãzinho se transformaram em gigantescos bosteiros a céu aberto, deixando apenas a lembrança dos domingos e feriados em que pelo menos um terço de Manaus os freqüentava.

Os igarapés, todos eles, não conseguiram resistir ao avanço do “progresso” que os envolveu implacavelmente com a sua inefável aura de um urbanismo de gosto duvidoso e, no mínimo, irresponsável.

A carta do pintor ainda vai completar trinta e três anos e já tem sabor de história. Uma história amarga, cruel e inclemente, a retratar os maus tratos de que foi vítima esta cidade, explorada por quem nem a conhece e desprezada pelos que lhe deveriam o mínimo de respeito.

Diz ainda o artista pernambucano: “Achei Manaus uma cidade fantástica e o rio não dá impressão de rio”.
Por incrível que pareça, até hoje ele está coberto de razões. A destruição não conseguiu ser completa. Felizmente.

Deixe um comentário

Filed under Félix Valois

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s